TCE identifica servidores falecidos na folha de pagamento do governo

Uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-BA) identificou que o Governo da Bahia manteve servidores e pensionistas, que já tinham falecido, na folha de pagamento. Segundo informações do Jornal Correio, as irregularidades aconteceram no exercício de 2020, no âmbito da Secretaria Estadual de Administração (Saeb). A gestão era do então governador Rui Costa (PT).

Os auditores também descobriram que diversos servidores ativos com mais de 75 anos de idade estavam na folha de pagamento recebendo salário de maneira indevida. Os pagamentos acumulados alcançam os R$ 26,3 milhões.

“A situação pode caracterizar prejuízo ao erário já que o servidor está percebendo sua remuneração de forma integral, como se estivesse na ativa, quando o normativo legal prevê a proporcionalidade. O afastamento por aposentadoria compulsória se dá aos 75 anos, conforme Lei Federal nº 152/2015 e conforme Lei Estadual nº 6.677/1994 (art. 126), os proventos serão proporcionais ao tempo de serviço”, diz o relatório da Sexta Coordenadoria de Controle Externo do TCE.

Apesar do ocorrido, as contas da Secretaria de Administração foram aprovadas, com ressalvas e recomendações para que as irregularidades não se repetissem. O conselheiro Pedro Lino, relator do processo, disse que os gestores responsáveis “incorreram em erro grosseiro” e votou pela aplicação de multa. Mas, teve o voto superado pelos pares na sessão da terça-feira (8).

O que diz o Governo da Bahia

Em nota enviada ao Jornal Correio, a Superintendência de Previdência do Estado (Suprev) – por meio da Secretaria de Administração do Estado da Bahia (Saeb) – informou que após receber, em 2020, o relatório com o resultado da auditoria realizada pelo TCE-BA, tomou todas as providências cabíveis para o bloqueio das irregularidades detectadas e o ressarcimento dos valores indevidamente pagos.

“Vale ressaltar que o trabalho de identificação de óbitos não-comunicados de beneficiários faz parte da rotina da Suprev, seja por meio da prova de vida ou do esforço cotidiano de cruzamento de dados em sistema, de modo a possibilitar a reapropriação de valores pagos indevidamente. Nesse sentido, a atuação do Tribunal de Contas do Estado tem sido muito importante, contribuindo com as ações de controle sobre o pagamento de benefícios irregulares”, finalizou a nota.