Silveira defende que Petrobras recompre refinaria na Bahia

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, defendeu que a Petrobras (BVMF:PETR4) avalie a possibilidade de recompra da Rlam (Refinaria Landulpho Alves), localizada na Bahia. A unidade foi vendida em 2021 por US$ 1,65 bilhão para a multinacional Acelen, empresa do fundo de investimentos Mubadala Capital, dos Emirados Árabes Unidos.

“Entendemos do ponto de vista da segurança energética e da nova geopolítica do setor de petróleo e gás, respeitadas as regras de governança da companhia, que a Petrobras deve avaliar recomprar a Rlam. É um ativo histórico e que fez parte da estratégia de desmonte do Sistema Petrobras e nunca deveria ter sido vendido”, disse Silveira.

De acordo com o ministro, os moradores da Bahia e de Sergipe, que são atendidos pela refinaria, não estão sendo beneficiados pela nova política de preços da Petrobras, o chamado PCI (Preço de Competitividade Interna), adotado em maio, e ainda têm os combustíveis precificados pelo PPI (Preço de Paridade de Importação).

“O povo baiano e sergipano tem pago preços de combustíveis mais caros do que em regiões de influência das refinarias cujo controle é da Petrobras”, afirmou.

Por outro lado, Silveira disse trabalhar pela concretização de uma parceria entre a Petrobras e a Acelen para um projeto de biorrefino do óleo de macaúba –espécie de coco nativo do Brasil. A expectativa é produzir 1 bilhão de litros por ano.

O uso do fruto como matéria-prima permitirá a produção de combustível sustentável de aviação (SAF) e diesel verde. A Acelen já anunciou o plano de investir R$ 12 bilhões nos próximos 10 anos no projeto.

Para o ministro, a implantação do projeto ajudará na redução de desigualdades regionais e no apoio ao pequeno agricultor e a agricultura familiar em regiões do semiárido, como os estados do Nordeste e zonas produtoras espalhadas em Minas Gerais.