Moraes autoriza cooperação internacional para quebra de sigilo bancário de contas de investigados


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes autorizou o pedido de cooperação internacional feito pela Polícia Federal (PF) para solicitar aos Estados Unidos a quebra de sigilo bancário das contas dos investigados no caso das joias presenteadas pela Arábia Saudita na Flórida. São as contas do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), de seu ex-ajudante de ordens Mauro Cid e de seu pai, general Cid e, se houver, do advogado Frederick Wassef .

As joias recebidas por Bolsonaro e pela ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro deveriam fazer parte do acervo da República e foram vendidas ilegalmente. O Supremo Tribunal Federal (STF) pediu quebra do sigilo bancário tanto do ex-presidente quanto de Michelle.

Wassef admitiu que viajou aos EUA e que recomprou o relógio da marca Rolex. Na quinta-feira (16), foi alvo de busca e apreensão em uma churrascaria em São Paulo. Ele teve os celulares apreendidos e o carro revistado. Segundo levantamento da PF, Wassef possui 32 armas de fogo. Entre elas, quatro armas e um porte válido no SINARM (SINARM – Sistema Nacional de Armas – Polícia Federal), uma pistola Glock 9mm; uma pistola .45; uma pistola Sig Sauer 9mm e uma carabina Brigade. Ainda, 28 armas registradas no SIGMA (Sistema de Gerenciamento Militar de Armas do Exército) como CAC –destas, 12 são fuzis. Nenhuma destas armas foram encontradas nos endereços dos advogado.